Vizualização e jornalismo de dados

De Rede JorTec
Ir para: navegação, pesquisa

Na busca por uma informação implícita em redes sociais, uma abordagem da Teoria Ator-Rede para o Jornalismo Digital

Prof. Dra. Rita Paulino

A participação das pessoas em redes sociais, é inegavelmente um fenômeno contemporâneo que apresenta como característica não só o fluxo de informações explícitas em forma de dados, singulares e autorais, mas também uma informação (dados) proveniente do movimento da própria rede. É neste contexto que este projeto se insere com o objetivo de revelar informações que estão implícitas nos movimentos participativos de redes sociotecnológica. Para isso contamos com o aporte teórico conceitual sobre a Teoria Ator-Rede (TAR) de Bruno Latour (2012) “seguir as coisas através das redes em que elas se transportam” . Entendemos que ao seguir os movimentos das redes sociais, podemos visualizar informações que refletem sentimentos e ações que estão implícitas nas conexões em redes sociais. Neste projeto vamos analisar e monitorar as redes sociais durante os jogos do Brasil na Copa do Mundo 2014, esta abordagem nos remete a uma pesquisa prática e experimental.

Palavras-chave: teoria ator-rede, jornalismo digital, redes sociais, sociotecnológica

Introdução

Este projeto pretende desmistificar o processo de visualização de dados e análise de sentimentos em redes sociais e, de forma a apresentar o referencial teórico sobre o assunto e a interface com o Jornalismo digital. Para atingir este objetivo, pretendemos testar e pesquisar ferramentas tecnológicas de Análise de sentimentos e ferramentas de visualização de informações de acesso livre e dialogar com os demais projetos da rede Jortec.

Como primeiro estudo de caso analisamos o sentimento e a ênfase de assuntos que aparecem durante as partidas dos jogos da seleção brasileira durante a Copa do Mundo de 2014. Esta abordagem sistêmica está sustentadas pelo conceito da Teoria Ator-Rede (TAR) de Bruno Latour (2012). Para registrar a interconexões pesquisadas de uma informação às vezes presente, mas implícita nas redes sociais, contamos com as ferramentas de visualização de dados de acesso livre para mostrar a informação e gerar uma memória dos fatos marcantes ou acontecimento.

As redes sociais são configuradas como um grande sistema sociotecnológico que na visão de Mario Bunge (2003) é definida como um objeto estruturado de forma complexa que inclui componentes dos quais há relação com pelo menos um outro componente. Mais especificamente, um sistema pode ser modelado como um composto quádruplo que inclui a composição do sistema (elementos componentes do sistema), ambiente (de itens que não fazem parte do sistema, mas que atuam ou sofrem ação por algum componente), estrutura (coleção de ligações entre componentes e entre esses e os itens do ambiente) e mecanismo (coleção de processos que geram a novidade qualitativa) (BUNGE, 2003). Assim, a relação semântica é essencial para a compreensão de qualquer sistema.

Segundo Leticia de Luna Freire (2013) a abordagem de Latour, sobre rede remete a fluxos, circulações e alianças, nas quais os atores envolvidos interferem e sofrem interferências constantes. Uma rede é uma lógica de conexões, definidas por seus agenciamentos internos e não por seus limites externos.

Um sistema sociotecnológico, na visão de Bunge (2003) e Latour (2013) refere-se a uma estrutura de ligações ou conexões entre seus pares e ambientes e que podem sim sofrer influências externas.

Em uma visão mais estrutural os atores em redes sociais são mapeados pelas suas relações. Existe uma relação orientada entre dois atores quando há transmissão, no sentido geral do termo, de um para o outro, quer se trate de informação, de bens ou de serviços e de controle. Quando não há transmissões unilaterais esta relação não é orientada (LEMIEUX, 2004). Mas o fato de uma rede não ser orientada, não significa que o conjunto de atores não tenha relação ou significado para a rede que pertencem. Segundo Latour, citado por Freire (2013) o autor chama a atenção para a necessidade de diferenciar “ator” no sentido tradicional conferido pela sociologia, pois, para a Teoria Ator-Rede (TAR), ator é tudo que age, deixa traço, podendo se referir a pessoas, instituições, animais, máquinas, etc. Ou seja, não se refere apenas aos humanos, mas também aos não humanos, sendo por esse motivo sugerido ainda por Latour o termo actante.

A comunicação em rede é feita por dados, pode ter um caráter semântico, pictórico, midiático e que revelam sentimentos. Redes sociais online tem se tornado uma importante plataforma de comunicação que agrupa diversas informações, entre elas opiniões e sentimentos expressos por seus usuários em simples conversas ou mensagens. (ARAÚJO M., 2014)

A facilidade em estocar e recuperar informações a partir de monitoramento cotidiano das ações de atores é uma característica das sociedades informacionais. (GANDY , 2002) apud BRUNO, 2014).

Diversos estudos no contexto de redes sociais estão focados na identificação e monitoramento de polaridade em mensagens compartilhadas partindo da hipótese que a quantidade expressiva de dados postados uma parcela significante estaria relacionada ao humor e as emoções expressas pelos usuários. (ARAÚJO M., 2014) O autor considera que estas análises possuem inúmeras aplicações, especialmente no desenvolvimento de sistemas capazes de capturar opiniões públicas relacionadas a eventos sociais e lançamento de produtos em tempo real, considero neste projeto que análises sobre critérios de noticiabilidade e audiência sobre eles também podem ser percebidos através de análises dos feedbacks dos usuários de redes sociais .

É neste cenário que o presente projeto está inserido, pretende realizar análises de sentimento sobre fatos ou acontecimentos, através da coleta, extração e visualização de dados em redes sociotecnológicas.

Metodologia

Conforme Freire (2013), do ponto de vista metodológico, Latour afirma que a única maneira de compreender a realidade dos estudos científicos é acompanhar os cientistas em ação, já que a ciência está fundada sobre uma prática, e não sobre ideias.

Seguindo as ideias de Latour, acreditamos que o exercício da prática nos faz ver e entender melhor o fenômeno que está acontecendo. Além do caráter pedagógico, a imersão no problema, faz com que o pesquisador possa identificar caminhos diferenciados para a pesquisa. Freire (2013) considera que abordagem metodológica de Latour reconhece a ação efetiva dos cientistas, em estreita combinação com os objetos com os quais interage, deixaria de ser vista como mero pano de fundo na produção dos fatos científicos para fazer parte do primeiro plano de observação e descrição dos pesquisadores.

Marcondes Filho (2014) indica que a pesquisa comunicacional é exatamente a investigação de como o fenômeno nos atinge, de como a coisa repercute em nós, do que sofremos com ela, que alterações vivenciamos.

Com a finalidade de identificar ou seguir rastros na busca de tendências ou sentimentos adotamos como instrumentos metodológicos os estudos de caso. Neste artigo pretendemos documentar e referenciar os principais fatos que ocorreram durante os jogos do Brasil através do reflexo da participação dos internautas nas redes sociais (Twitter e Facebook).

Como a porte teórico acompanhamos os estudos de Latour e pesquisadores de referência que estudam a relação dos usuários com as mídias sociais. Além de verificar a intersecção deste estudo com as novas pesquisas sobre Jornalismo de dados. Não está no escopo deste projeto desmistificar a caixa-preta dos sistemas de algoritmos utilizados, mas sim, utilizar os sistemas de acesso público e as amostras dos relatórios que estes sistemas apresentam a partir de uma pesquisa sobre uma determinada #hastag.

Para auxiliar na análise e leitura dos dados utilizou-se algumas heurísticas que foram identificadas durante os testes com os algoritmos e softwares de visualização de dados. Após a leitura dos dados, os gráficos gerados apresentaram informações que representavam um sentimento ou pistas sobre um determinado fato.

Segundo Bueno F. (2009) usar o método com heurísticas costuma facilitar o encontro das melhores soluções possíveis para problemas, e não soluções exatas, perfeitas, definitivas. Esta subjetividade, ou falta de precisão dos métodos heurísticos, não se trata de uma deficiência, mas uma particularidade análoga à inteligência humana. Muitas vezes, no cotidiano, resolvemos diversos problemas sem conhecê-los com precisão.

Fases a coleta, extração e visualização em redes sociais 1ª Etapa: Coleta de Dados “Capturar” os dados que você deseja, ou seja, acessá-los em suas fontes originais - sites, bases de dados, pdf’s, documentos físicos, imagens, etc - e adaptá-los para um formato que permita que eles sejam utilizados da forma pretendida.

2ª Etapa: Filtragem Nesta fase temos os dados coletados sobre a #hastag-chave, mas nem sempre estes dados aparecem de forma “limpa”. Há necessidade de correção de possíveis falhas nos dados, sendo possível se referir a ela também como complementação. Esta fase corresponde edição jornalística, onde são selecionadas, trabalhadas e verificadas as informações que efetivamente farão parte da reportagem final.

3ª Etapa: Visualização Visualização (dataviz) ou narrativa (datadriven story). É o momento de elaboração do produto final, quando pode ser necessário o auxílio de um designer ou de um conhecimento prévio sobre o sistema que será usado para visualizar os dados. Nessa fase é preciso se preocupar com o tipo de produto a ser desenvolvido (infográfico, visualização dinâmica, aplicativo, etc), usabilidade, acessibilidade, interatividade, responsividade, entre outros aspectos humanos e técnicos. Os dados precisam contar uma história. Toda visualização de dados necessita de uma coleta prévia de dados, que pode ser uma tabela Excel ou formato texto padrão “csv”.

Ferramentas utilizadas:

[[Ferramentas para coleta ]] Free: - Scraper; Recursos parciais disponíveis: - OutWit Hub; - Scraperwiki.

Ferramentas para filtragem

Grande parte das ferramentas da 1ª e da 3ª etapas possuem recursos adicionais para realização de filtragem e/ou edição. Mas geralmente, após ter coletado os dados necessários, é comum que eles sejam explorados e testados em um editor de planilhas tradicional (Excel, do pacote Microsoft Office, Google Spreadsheets ou Calc, do Libre Office).

[[Ferramentas para visualização ]] Free: - Raw; - Google Fusion Tables; - Tableau Public; - Many Eyes; - Timemapper.


Próxima ações:



Resultados de pesquisa prática experimental sobre o tema:

PAULINO, RITA CÁSSIA ROMEIRO . Como identificar o sentimento através das redes sociais, utilizando metodologia aplicada ao Jornalismo de Dados. In: 12º ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor, 2014, Santa Cruz do Sul. 12º ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor, 2014.

Paulino,R.,Kern, V.M., Graphical Representations of Message Exchange in Online Collaborative Environments:Uncovering Implicit Knowledge Intelligent Systems Design and Applications, 2007. ISDA 2007. Seventh International Conference on Mídia:DOI: 10.1109/ISDA.2007.144 Publication Year: 2007 , Page(s): 371-376

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas