Página principal

De Rede JorTec
Ir para: navegação, pesquisa


Rede de Pesquisa Aplicada Jornalismo e Tecnologias Digitais
30 de setembro de 2016
Credenciada à Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor)


Grupos de Pesquisa credenciados no CNPq que formam a Rede JorTec


Rede Jortec participa com duas mesas no X Encontro Nacional da SPBjor 2013

XI Mesa Coordenada da Rede Jortec “Apropriações tecnológicas, pensamento computacional e novas técnicas na produção de informações de relevância social”

A mesa congrega estudos sobre a utilização das tecnologias digitais em processos de produção do jornalismo na obtenção de correlações de informações extraídas do Twitter através das técnicas mineração de dados para identificar o uso de redes sociais em paralelo ao consumo de TV, constituindo o que alguns autores chamam de "backchannel"; descrever sobre a viabilidade da criação de uma agência de notícias de Ciência, Tecnologia e Inovação das Instituições Federais de Ensino Superior, utilizando técnicas como mapas mentais e fluxogramas; discute os níveis de apropriação tecnológica da Internet pelos profissionais de jornalismo em função da diminuição da assimetria informativa e construção de uma esfera pública interconectada e debate sobre conceito de pensamento computacional para encorajar o cruzamento de conhecimentos entre comunicação social e ciências da computação a partir do uso de interfaces para programação de aplicativos (em inglês, APIs).


Níveis de apropriação tecnológica e profissionais do jornalismo
Walter Teixeira Lima Junior

Resumo: O atual estágio tecnológico da Web permite todos os tipos de apropriações, desde as mais domésticas, como abertura de uma conta em uma rede social, até as mais sofisticadas, como a procura de rastros e dados. Desde a introdução da dinamicidade na Web, quando os componentes das páginas começaram a serem armazenados em bancos de dados, a co-evolução da rede permitiu a cada nível de apropriação pelo profissional de jornalismo determinar qual o patamar de obtenção de capital social cognitivo dele. Para diminuir a assimetria informativa e contribuir para o aumento informativo da esfera pública interconectada, o profissional de jornalismo deve apropriar-se com mais profundidade das técnicas e tecnologias da Web.


Acervo digital e linked data: da memória jornalística às APIs abertas
André Rosa de Oliveira

Resumo: E O artigo se apoia no conceito de pensamento computacional para encorajar o cruzamento de conhecimentos entre comunicação social e ciências da computação a partir de um exemplo: acervos digitais. O texto propõe uma relação entre a importância da memória para produção jornalística e as discussões em torno da web de dados, impulsionada pelo desenvolvimento de modelos de publicação e de dados estruturados, método denominado linked data. Somado ao potencial oferecido por interfaces para programação de aplicativos (em inglês, APIs), veículos noticiosos podem se tornar plataformas, possibilitando o envolvimento entre jornalistas, programadores e usuários interessados em interagir com conteúdos.


Sobre oportunidades de pesquisa aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais: Apontamentos para uma agência de notícias de ciência, tecnologia e inovação
Rodrigo BOTELHO-FRANCISCO

Resumo: Este artigo tem como objetivo descrever parte de um estudo sobre a viabilidade da criação de uma agência de notícias de Ciência, Tecnologia e Inovação das Instituições Federais de Ensino Superior. A ideia parte da integração de soluções desenvolvidas por estas mesmas instituições, o que permite uma reflexão em torno do desafio que é fazer pesquisa aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais. Na discussão apresentada poderão ser notadas técnicas utilizadas no estudo, como mapas mentais e fluxogramas. Tal perspectiva corrobora com a utilização de diferentes perspectivas no campo da Comunicação e do Jornalismo com vistas a viabilizar as próprias soluções técnicas que discute e propõe.


Produção de conteúdo social no twitter e critérios de noticiabilidade - notas sobre uma possível correlação
Márcio Carneiro dos Santos

Resumo: Discute-se o fenômeno do uso de redes sociais em paralelo ao consumo de TV, constituindo o que alguns autores chamam de "backchannel", um espaço secundário da produção de conteúdo e discussão sobre os programas que estão sendo assistidos de forma síncrona à sua emissão; formando o que propomos denominar aqui de nuvem de sentido e procurando nela forças organizadoras semelhantes às que conhecemos no jornalismo como critérios de noticiabilidade. São exploradas as técnicas de mineração de dados através da ferramenta personalizada Social Tracker, desenvolvida na linguagem de programação Python, para coletar dados sobre o problema, considerando-se que, de-vido à grande quantidade de informações geradas neste ambiente, é cada vez mais difícil fazer isso manualmente.


As notícias e os valores-notícia: da tipografia ao Jornalismo online
Sônia Padilha e Luís Francisco Munaro

Resumo: O que leva um fato a ser notícia? Para abordar esta questão serão destacadas as transformações ocorridas nos valores-notícia, sua flexibilidade cultural e temporal e as vertentes de estudo que surgiram a partir do Jornalismo online. Feito isso, será possível perceber que os valores-notícia estão vinculados a estruturas móveis dependentes da cultura jornalística e da variedade de meios de comunicação em que emergem. A análise de construções noticiosas no Ciberespaço permite, por fim, respaldar essa visão de que longe de amontoados uniformes de dados, as notícias são orientadas pela tentativa da captura da atenção do leitor e ocupação harmônica dos espaços.

XII Mesa Coordenada da Rede Jortec “Confluências tecnológicas na prática, pesquisa e ensino do Jornalismo”

A mesa produz reflexões importantes nas áreas do ensino e pesquisa em jornalismo. Chama a atenção para a importância da investigação sobre neutralidade da rede, pois a legislação sobre o tema remonta ao tempo do telégrafo; sobre as transformações ocorridas nos valores-notícia, sua flexibilidade cultural e temporal e as vertentes de estudo que surgiram a partir do Jornalismo online; realiza a leitura do Jornalismo na contemporaneidade em versões impressas e eletrônicas (computadores e tablets), quando esta ação é possível de ser realizada em diferentes dispositivos analógicos e digitais; relata o uso feito pelos candidatos a prefeito de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, das mídias sociais, especificamente Facebook e Twitter, nas eleições municipais 2012 em suas estratégias de comunicação; descreve a crescente confluência entre as tecnologias contemporâneas de comunicação estruturadas na convergência e o jornalismo produzido nos modelos das mídias tradicionais, massivas, unidirecionais, analógicas e classicamente diferenciadas (jornal, rádio e televisão) e analisa a adequação da formação em Jornalismo tendo em vista a comunicação digital, a interatividade, a interdisciplinaridade e a educação na Sociedade do Conhecimento.


Neutralidade da rede, problema da pesquisa em Jornalismo
Diólia de Carvalho Graziano Resumo: O presente capítulo pretende chamar a atenção para a importância da neutralidade da rede na pesquisa em Jornalismo. É fruto da pesquisa empreendida no Centro Universitário Senac. Apresenta o modelo de três camadas da Internet. Aborda a definição de neutralidade de Tim Wu, a da Wikipedia e o princípio da imparcialidade no Jornalismo para apontar a existência de um problema de Comunicação, por um lado, e de metas intangíveis, por outro. O trabalho mostra que a legislação sobre neutralidade da rede remonta ao tempo do telégrafo. Após profunda reflexão da questão, cito opiniões de jornalistas e de pesquisadores em Jornalismo. Nas considerações finais eu aponto as inferências e questionamentos dos estudos que realizo sobre o assunto desde 2008.


A leitura do Jornalismo na contemporaneidade em versões impressas e eletrônicas
Alessandra de Falco

Resumo: O presente trabalho aborda a leitura do Jornalismo na contemporaneidade, quando esta ação é possível de ser realizada em diferentes dispositivos como revistas impressas, computadores e tablets. As considerações apresentadas baseiam-se na observação de veículos de comunicação atuais pela autora, utilizando como referencial teórico os estudos de Rorger Chartier, que analisa a história das práticas de leitura, incluindo os objetos que dão suporte a ela. E ainda, estabelece-se a relação das leituras jornalísticas nos diversos dispositivos como um meio para o processo de ensino-aprendizagem, considerando a crescente inserção de recursos tecnológicos entre a comunidade jovem e, inclusive, no ambiente de ensino. Apesar dos avanços e dos novos formatos, não são apagadas as representações relacionadas aos meios mais tradicionais, portanto, considera-se que ainda falta um aprofundamento crítico tanto no polo da produção de conteúdo, quanto no polo da recepção, sobre como trabalhar a relação entre os diferentes formatos, desde o impresso até o eletrônico.


Assessoria de Imprensa 2.0: o uso das mídias sociais nas eleições municipais 2012 em Campo Grande MS
Janaína Ivo da Silva

Resumo: Este estudo investiga o uso feito pelos candidatos a prefeito de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, das mídias sociais, especificamente Facebook e Twitter, nas eleições municipais 2012 em suas estratégias de comunicação. Para as análises do processo eleitoral para prefeito em Campo Grande foram selecionados os candidatos Edson Giroto, Vander Loubet, Alcides Bernal, Reinaldo Azambuja e Marcelo Bluma. A escolha foi baseada naqueles que possuíssem perfis ou páginas estabelecidos no Twitter e no Facebook no dia seis de julho de 2012, início oficial da campanha eleitoral.


Repensando jornalismo e tecnologia a partir das perspectivas construcionistas
Carlos Franciscato

Resumo:O objetivo é investigar de que modo uma crescente confluência entre, de um lado, as tecnologias contemporâneas de comunicação estruturadas na convergência entre a digitalização ampla e a constituição de redes de comunicação com alto potencial de mobilidade e interação e, de outro, o jornalismo produzido nos modelos das mídias tradicionais, massivas, unidirecionais, analógicas e classicamente diferenciadas (jornal, rádio e televisão) estão demandando uma reformulação nas teorias constituídas no século XX para descrever e interpretar o jornalismo reconfigurado no século XXI. Utilizaremos uma investigação teórica, de ordem bibliográfica, para aproximar duas perspectivas: a tecnologia analisada a partir dos estudos de constr ução social e as teorias construcionistas do jornalismo. Buscamos, a partir deste quadro teórico supostamente comum, revisar, sistematizar e sugerir interpretações desta aproximação.


Tecnologias digitais na formação em Jornalismo e sua interface com a educação
Mirna Tonus e Adriana Cristina Omena dos Santos

Resumo:Resumo: Na perspectiva da análise sociológica e comunicacional-tecnológica, este texto aborda a sociedade informacional, que tem como característica a convergência tecnológica e de conteúdo, e as adequações da comunicação visando às produções para os novos meios convergentes e interativos. O foco do texto é uma reflexão sobre a adequação da formação em Jornalismo tendo em vista a comunicação digital, a interatividade, a interdisciplinaridade e a educação na Sociedade do Conhecimento com seu novo tipo de aluno, que leva para a universidade saberes acumulados, fato que exige mudanças no posicionamento do educador.


Artigos apresentados na Mesas coordenadas da Rede no 10° Encontro Nacional da SBPjor|2012

VIII Mesa Coordenada - Redes, complexidades e reconfigurações no fazer jornalístico

A mesa observa complexificações que se estabelecem nas práticas, formas e processos de natureza jornalística quando estas se dão em uma estrutura de rede, marcada por um cenário de profunda imersão tecnológica. Tem-se, neste ambiente, sentidos que emergem a partir da circulação de informações de natureza jornalística, e que complexificam, em sua processualidade, toda uma ecologia comunicacional, provocando reconfigurações as mais diversas. A abordagem terá lugar a partir de duas entradas. Na primeira, tendo como objeto de análise o papel que a notícia exerce neste cenário sob a perspectiva de aplicativos como o Social Reader; de considerações sobre o papel dos usuários em redes como o Facebook e da análise das instâncias que emergem destas processualidades. Observará, ainda, reconfigurações no processo de formação decorrentes destas metamorfoses em sala de aula, em laboratórios de estágio curricular e a importância da interação e da colaboração para a formação jornalística.

Notícia e convergências nas RSIs: uma experiência social
Raquel Ritter Longhi e Ana Marta Moreira Flores

A circulação da notícia em tempos de redes sociais: convergência, participação, filtros e economia da atenção
Maíra de Cássia Evangelista de Sousa

Complexidades, sistemas e redes sociais: metamorfoses do ensino-aprendizado
Demétrio de Azeredo Soster

Tecnologias digitais, interação e colaboração na formação e na prática jornalística contemporânea
Letícia Alessi, Vanessa Borges e Mirna Tonus

Internautas, FHC e liberdade de imprensa: repercussões da palestra do ex-presidente em tempo real
Carlos Alberto Zanotti

Estágio curricular em Jornalismo e convergência de mídias: o caso do Editorial J
Marcelo Träsel

IX Mesa Coordenada - Apropriações tecnológicas no jornalismo contemporâneo

A mesa coordenada reúne trabalhos que, em comum, discutem diferentes apropriações das tecnologias digitais e em rede por instituições jornalísticas, em especial em webjornais brasileiros. Através de metodologias próprias e referências teóricos interdisciplinares, os artigos exploram diferentes facetas desse fenômeno contemporâneo, a começar pelas questões conceituais acerca das narrativas transmidiáticas no jornalismo e pelo caráter sociotécnico das revistas digitais desenvolvidas para tablets. A seguir, discutimos a inserção de tradicionais empresas jornalísticas na produção audiovisual (através das webTVs) e, a partir de um estudo quantitativo, a reconfiguração dos valores-notícias em webjornais em função das diferenças na seleção de notícias por jornalistas e pelo público. Por fim, atemo-nos à estrutura de navegação de portais jornalísticos através de uma pesquisa empírica que apropria-se da literatura sobre Arquitetura da Informação e apresentamos os primeiros resultados de um estudo comparativo sobre a “qualidade” de portais de referência no Brasil e na Espanha.

WebTVs no cenário da(s) convergência(s): a produção audiovisual por veículos jornalísticos de tradição impressa
Carlos d'Andréa

Revistas Digitais: uma abordagem sóciotecnológica de um sistema hipermídia para tablets
Rita de Cássia Romeiro Paulino

Os valores-notícia no Webjornalismo
Sônia Padilha

O diálogo interdisciplinar entre Jornalismo e Arquitetura da Informação: estudo da estrutura de navegação do portal G1/Sergipe
Carlos Franciscato

Protocolo de qualidade para conteúdos em Ciberjornalismo: estudo comparativo Espanha e Brasil em portais de notícias de referência
Gerson Luiz Martins

X Mesa Coordenada - Plataformas digitais, sistemas computacionais e difusão da informação jornalística

A mesa congrega resultados de pesquisa aplicada em projetos para captação, transmissão e produção de conteúdos audiovisuais em alta definição e em sistema computacional para gestão de informação jornalística, baseado em software livre. Discute os novos processos de produção e difusão de notícias através de aplicativos em dispositivos móveis, que agregam e multiplicam conteúdos de relevância social. Compondo o ambiente conectado, o armazenamento de dados e a utilização de linguagens de programação sofisticadas permitem a manipulação de complexos bancos de dados, favorecendo o surgimento de novas funções jornalísticas. Entretanto, apesar da ampliação das plataformas digitais e atividades jornalísticas, o poder, os direitos e as regras na Internet estão sendo remodelados, e seu acesso controlado tecnologicamente, colocando em perigo a liberdade na rede.

Jornalismo convergente através de plataformas de altíssima resolução: o Projeto 2014K
Caru Schwingel

Convergências tecnológicas, mídias aditivas e espiralação de conteúdos jornalísticos
S. Squirra

Entre Comunicação e Computação: relato de uma experiência com desenvolvimento de software para gestão de produção jornalística
Rodrigo Eduardo BOTELHO-FRANCISCO e Alex Fernando ORLANDO

Big Data, Jornalismo computacional e Data journalism: estrutura, conhecimento tecnológico e pratica profissional na Web de dados
Walter Lima

Governança da Internet: vulnerabilidades, ameaças e desafios para a manutenção da liberdade de expressão e não discriminação na rede telemática conectada
Diólia de Carvalho Graziano

Interatividade em TV Digital e criação de aplicações interativas - Relato do projeto T-Autor e sua aplicabilidade no jornalismo
Márcio Carneiro dos Santos



Rede envia mensagem de apoio a proposta de Marco Civil da Internet

A Rede JorTec enviou mensagem para os deputados do Congresso Brasileiro, que devem apreciar e votar até o dia 28 de outubro o projeto do Marco Civil da Internet.

É rara a oportunidade de debater democraticamente a legislação envolvendo tecnologias de comunicação. O [PL 2.126/2011] é uma peça essencial para o desenvolvimento da democracia no Brasil.

Caso você se sinta motivado a apoiar o projeto, uma planilha com os endereços de correio eletrônico de todos os deputados pode ser [encontrada aqui].



Jortec participa do I Simpósio das Redes de Pesquisa da SBPJor (I RedesJor)


'Programação Rede JorTec (Rede de Pesquisa Aplicada Jornalismo e Tecnologias Digitais)
(07/11/2013, período tarde)
A seção da Rede JorTec discutirá as estratégias de pesquisa da Rede JorTec para os próximos cinco anos envolvendo elaboração e execução de projeto, com fomento de agências governamentais, envolvendo todo o conjunto de pesquisadores da Rede, produção de publicações e acordos com outras redes de pesquisa internacionais.
14h – Mesa de Abertura comum às 3 Redes: TeleJor , JorTec, Renoi
15h – Palestra com o prof. Dr. João Eduardo Kogler Junior
15h às 16h – debate
16h às 18h – oficina com debate sobre metodologias e relatos de pesquisa da Rede JorTec.


Breve currículo do palestrante João Eduardo Kogler Junior
Possui graduação em Engenharia Elétrica pelo Instituto Maua de Tecnologia (1978), graduação em Física Bacharelado pela Universidade de São Paulo (1983), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (1986), com ênfase em engenharia biomédica e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (1998), com pesquisa desenvolvida na divisão de processamento de imagens da Siemens Corporate Research em Princeton, Estados Unidos, em 1991-92, versando sobre estudo de modelagem de imagens em multi-resolução aplicando o grupo de renormalização a campos markovianos, com aplicações a imagens médicas. Trabalhou como cientista visitante no INRIA Sophia-Antipolis, França, em 1994, aplicando o método de análise multi-escalas via grupo de renormalização à classificação de regiões em imagens de satélite. Atualmente é pesquisador doutor da Universidade de São Paulo, atuando nas áreas de visão computacional, processamento de imagens, inteligência computacional e ciência da cognição



Livros da Rede
Jornalismo convergente: reflexões, apropriações, experiências

Organizadores: Raquel Longhi e Carlos D'Andrea

Editora Insular, 2012

Jornalismo convergente: reflexões, apropriações, experiências

[Compre Aqui]

Sinopse

"Convergência" é um dos conceitos que esclarece e identifica as várias transformações que afetam o jornalismo contemporâneo, que cada vez mais pode ser entendido como um "jornalismo convergente". Deste cenário surgem os novos desafios e possibilidades para produção de conteúdos, mudanças na formação profissional e nos veículos de comunicação, independentes ou vinculados a grandes conglomerados de mídia.

Foi a partir deste panorama que a rede de Pesquisa Aplicada Jornalismo e Tecnologias Digitais (JorTec) elaborou o livro “Jornalismo convergente: reflexões, apropriações, experiências”, que reúne artigos inéditos de 17 pesquisadores de diferentes instituições de ensino e pesquisa. O lançamento ocorre no dia 09 de novembro, durante o 10° Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo/SBPJor, que acontece na PUC-PR, em Curitiba.

Leia mais sobre o livro

Jornalismo digital: audiovisual, convergência e colaboração

Organizadores: Demétrio de Azeredo Soster e Walter Teixeira Lima Junior

Editora Edunisc, 2011

Jornalismo digital: audiovisual, convergência e colaboração

[Compre Aqui]

Sinopse

A publicação é resultado da V Mesa Coordenada da Rede JorTec, que visou interligar os campos do conhecimento científico que envolvem Jornalismo e as Tecnologias Digitais Conectadas durante o 8º Encontro Nacional dos Pesquisadores de Jornalismo (8º SBPJor), em São Luis, no Maranhão.Sistemas computacionais, redes telemáticas, ensino, teorias e formatos de conteúdo foram os temas contidos nas discussões que delineiam novas tendências, rediscutem teorias e práticas no ensino no que tange à evolução dos conteúdos informativos de relevância social, contidos nas multiplataformas digitais conectadas via Web.

Nos assuntos pesquisados pelos autores neste se encontra a questão da relevância informativa por meio de sistemas de recomendação que estão alterando a percepção do usuário da Web; processo de produção jornalístico do ponto de vista das teorias do jornalismo; formatos de narrativas fotojornalísticas do New York Time.com; mensuração do grau da incorporação de questões tecnológicas nas grades de graduação em Jornalismo e o ensino de jornalismo-laboratório em uma perspectiva convergente.Aos textos dos integrantes da mesa, juntam-se outros, pro duzidos por pesquisadores igualmente ligados à Rede JorTec, que fornece à publicação e aos leitores a densidade necessária para entender os impactos tecnológicos nos processos, produtos jornalísticos e seus efeitos na formação de um novo ecossistema midiático


Produção e Colaboração no Jornalismo Digital

Organizadores: Carla Schwingel e Carlos Zanotti

Editora Insular, 2010.

Produção e Colaboração no Jornalismo Digital

[Compre Aqui]

Sinopse

A sociedade está mudando vertiginosamente e isto tem a ver com todos os seres, nos múltiplos segmentos sociais, especialmente aqueles da área científica da Comunicação, onde se destacam os profissionais do Jornalismo.

As tecnologias que permitem as práticas da comunicação evoluem em ritmo quase impossível de acompanhar, trazendo alterações de consumo de mídia nas infindáveis formatações e modulações do mundo informativo. O jornalismo convive cotidianamente com estas transformações, o que indica aos estudantes, pesquisadores e profissionais que dedicar tempo para as novíssimas tecnologias, aprender a dominá-las e usá-las na plenitude tornou-se predicado indissociável da profissão.

Nesta obra, pesquisadores — e profissionais — experientes mergulharam em várias facetas deste universo ao esmiuçar os processos inovativos que chegam, tornando sua leitura fundamental para a reciclagem que agora os profissionais devem infindavelmente fazer. Recomendo-a, fortemente.


Download: Guia de Proficiência Multimídia para Jornalistas
Guia de Proficiência Multimídia para Jornalistas

Tradução: Alessandra de Falco (UFSJ)

A professora Mindy McAdams, da Escola de Jornalismo e Comunicação, da Universidade da Flórida, escreveu em seu blog Teaching Online Journalism mais de 15 posts que foram transformados em um manual. Sua intenção era oferecer um guia para jornalistas que estão prontos para aprender como se transformar em jornalistas digitais. “Essa série desmitifica muitas das novas opções para contar histórias, que têm se tornado realidade graças às ferramentas digitais”, afirma McAdams.

Ela ressalta a importância do guia para jornalistas (ou estudantes de jornalismo) que sentem a necessidade de dar um upgrade em suas habilidades, sugerindo que todos sigam além da leitura e coloquem os conselhos citados em uso, imediatamente – no mesmo dia, se possível. Segundo Mindy, a tradução foi possível graças aos esforços de Alessandra de Falco, professora de Comunicação Social-Jornalismo da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e integrante da Rede JorTec. O guia foi traduzido e adaptado durante o oferecimento da disciplina Oficina de Jornalismo Online na Universidade.

Download Arquivo:Guia de Proficiencia Multimídia para Jornalistas.pdf


A Rede entregou proposta para a revisão das Diretrizes Curriculares em Jornalismo

Os pesquisadores da Rede, em conjunto, elaboraram um documento que foi entregue na reunião da Comissão de Especialistas do Ministério da Educação para o debate sobre a revisão das Diretrizes Curriculares em Jornalismo, em março de 2009:

Transformações tecnológicas e seus efeitos sobre a formação do jornalista.

Acesse o documento

Mas nenhuma sugestão foi incorporada ao documento final da Comissão. A proposta é importante devido às evoluções que o fazer jornalístico está passando em função da introdução das tecnologias digitais conectadas. Portanto, são discussões fundamentais para serem inseridas e praticadas nos cursos de jornalismo no Brasil.


Publicações

[Acesse] os trabalhos apresentados pelos pesquisadores da Rede nos encontros nacionais da SPBjor de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011


Objetivos da Rede

A Rede de Pesquisa Aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais tem como finalidade a produção de pesquisa aplicada visando à experimentação e criação de inovações tecnológicas digitais nos processos de captação, produção, empacotamento, transmissão e distribuição de conteúdos jornalísticos nas convergentes plataformas comunicacionais.

Objetos de pesquisa:

A) Sistemas inteligentes aplicados ao jornalismo

B) Interfaces digitais

C) Redes computacionais

D) Mídias Sociais

E) Narrativas jornalísticas multimidiáticas e multilineares proporcionadas pelas tecnologias digitais

Quem Somos

A Rede de Pesquisa Jornalismo e Tecnologias Digitais (JorTec) foi formalizada no 6.o Encontro da SPBJor, em 2008. Atualmente conta com 33 pesquisadores das seguintes instituições: UFscar, UFMG, PUC/Campinas, UMESP, UNSCS, UEPB, UFSJ, UFES, UFU, UFMS, UFS, UFRR, UFMA, UFSC, PUC/RS e Mackenzie. A Rede JorTec tem como finalidade a produção de pesquisa aplicada visando à experimentação e criação de inovações tecnológicas digitais nos processos de captação, produção, empacotamento, transmissão e distribuição de conteúdos jornalísticos nas convergentes plataformas comunicacionais. A Rede possui os seguintes objetos de pesquisa; Sistemas inteligentes aplicados ao jornalismo; Interfaces digitais; Redes computacionais; Mídias Sociais e Narrativas jornalísticas multimidiáticas e multilineares proporcionadas pelas tecnologias digitais. Além de participar com dez mesas coordenadas nos últimos seis anos nos encontros da SPBjor, com 60 trabalhos no total e lançou dois livros:

Em 2010, sobre a organização dos pesquisadores Carla Schwingel e Carlos Zanotti, foi publicado com 12 artigos, o livro “Produção e Colaboração no Jornalismo Digital”. Já, em 2011, “Jornalismo Digital: audiovisual e convergência e colaboração”, publicação organizada pelos pesquisadores Demétrio de Azeredo Soster e Walter Teixeira Lima Junior, contou com 11 textos.

No encontro de 2012, da SBPjor, será o terceiro livro, organizado pelos pesquisadores Carlos D´Andrea (UFMG) e Raquel Longhi (UFSC).


Lista de discussão e contato

A JorTec mantém uma lista de discussão

redepajtd@googlegroups.com

Contato através do email do coordenador da Rede, prof. dr. Walter Lima (Universidade Metodista)

digital@walterlima.jor.br

inter (privado)

Ferramentas pessoais
Espaços nominais

Variantes
Ações